Corredora, use a maquiagem a seu favor

Adicionada em 29 de maio de 2015

Por Paula Ricupero

Algumas mulheres não abrem mão de dar um toque especial no visual nem mesmo na hora de correr. Vaidosas por natureza, estão sempre preocupadas com a aparência, adoram combinar o look com os acessórios e assim criar todos os dias novas produções que contribuam com o treino, mas que também não deixem de agradar aos olhos. Para dar um up ainda maior no visual, há aquelas que não dispensam o uso da maquiagem. Além de garantirem um visual bonito, protegem-se contra os efeitos do sol na pele e ainda sentem-se mais motivadas para treinar.

Se você é daquelas que logo depois de calçar o tênis, completa o visual com uma camada de base com filtro solar, um blush de leve para dar um ar de saúde, lápis de olho, rímel à prova d’água e hidratante labial com filtro solar, fique atenta a essas dicas.

Beleza com proteção

Para evitar desconfortos durante a atividade física, como pele manchada, olhos borrados e irritações na pele, procure usar protetores solares com tom de base, pois as maquiagens dificilmente têm os fatores de proteção solar e PPD adequados para quem pratica esporte ao ar livre. O consenso de fotoproteção da Sociedade Brasileira de Dermatologia preconiza um FPS de pelo menos 50 e PPD de pelo menos 16. De todo jeito, nunca é recomendado que essa atividade seja realizada nos horários de pico de sol, ou seja, entre 10 e 15 horas.

Para a região dos olhos, é preciso eleger produtos de boa procedência para evitar que escorram com facilidade, e de preferência que tenham protetor solar em seus componentes.

Para os lábios, o melhor é usar um bastão de protetor solar com hidratante, já que muitos deles já possuem um tom leve. E fique esperta, pois a queilite actínica, que pode acometer lábios muito expostos ao sol, é precursora de um grave câncer de pele, o espinocelular. O batom normal não tem a mesma eficácia que o bastão com protetor solar, portanto seu uso é extremamente importante. Essa lesão começa, em sua maioria, com um endurecimento no lábio inferior que pode apresentar descamação ou até ulceração associada, e apresenta a característica de aparecer e sumir de tempos em tempos. O melhor método para evitá-la é combinar a proteção oferecida pelo protetor labial em bastão com uso de bonés e viseiras de aba com tamanho suficiente para cobrir até o lábio inferior.

Natural X maquiada

Muitas pessoas ainda acham estranho, e até mesmo inapropriado, o uso de maquiagem durante a prática esportiva. Por conta disso, quem gosta de dar um up no visual frequentemente é questionada. Apesar desse zelo com a aparência ainda sofrer muitas críticas, não há problema algum querer aliar esporte com vaidade. Afinal, eles podem, sim, caminhar juntos. A verdade é que a corrida de rua sempre foi considerada o esporte mais democrático que existe, e assim deve continuar a ser, esteja a atleta com ou sem a roupa da moda, usando ou não maquiagem.

Qual é o seu tipo de pele?

Antes de sair testando qualquer maquiagem é preciso levar em consideração o seu tipo de pele. Além de gerar benefícios para a própria saúde da pele, diminui a necessidade de aplicar muitas camadas de produtos, deixando uma aparência mais natural. A pele seca pode usar protetores hidratantes, como os que vêm em creme, com vitamina E ou outros compostos que puxam água para a camada córnea da pele. Já as mulheres que possuem a pele oleosa e acneica, ou quando a pele mista tem a zona T muito propensa à oleosidade, devem optar pelos produtos oil-free, pois ajudam a manter a pele com menos brilho causado pela secreção das glândulas sebáceas e, ainda, evitam que apareçam espinhas e cravos. Os protetores não comedogênicos (que não obstruem os poros) em fórmulas livres de óleo, em fluido ou gel creme, são uma excelente opção. O gel puro, entretanto, deve ser evitado para uso sob o sol direto, pois pode causar fotodermatose, doença cutânea que provoca lesões na pele e um aumento anormal da fotossensibilidade.

[nggallery id=177]

(Fontes: Michele Haikal, especialista em dermatologia e medicina antienvelhecimento; Daniela Landim, dermatologista com pós-graduação em medicina estética)

Matéria publicada em abril de 2015 (edição 143) da Revista O2