Como viajar para correr só com a mala de mão

Harry Thomas Jr
Adicionada em 05 de novembro de 2019
Mais em Corrida de Rua

Com recentes mudanças no mercado de aviação, surge uma nova maneira de viajar. A entrada das novas companhias aéreas low-cost, em 2020, e o fim da gratuidade obrigatória no despacho de bagagens têm feito, e ainda farão mais, muita gente viajar só com mala de mão. E os corredores precisam saber se organizar para isso.

A mala de até 23kg agora tem preço. Na última viagem internacional – que não varia muito da nacional – me cobraram R$ 160 o trecho. E as low-cost oferecem preços ótimos, inclusive para destinos fora do País, para quem aceitar viajar sem despachar nada. Enfim, ir só com a mala de mão tornou-se prático e econômico, até porque os passageiros ainda podem levar uma mochila ou bolsa sobressalente para ir embaixo do assento.

E asseguro ao corredor: é possível levar todo o equipamento necessário para uma prova viajando só com a mala de mão – inclusive de trail running, como fiz em uma prova que participei no Sul do Chile.

Até porque sempre defendi que os atletas levem seus tênis e roupas de prova na bagagem de mão, mesmo quando é possível despachar. É preciso ter em conta que há limites de líquidos e aerossóis, como produtos para lentes de contatos, desodorantes e até a vaselina que muitos atletas usam. São no máximo 100 ml.

Instrumentos pontiagudos também têm restrição. Os trekikng poles, bastões de trail running, devem ser aqueles com ponta de borracha.

A dica mais importante é eliminar sem dó tudo que não for de primeira utilidade. Outra é apostar em peças versáteis e que não amassam. Ter as roupas dobradas em rolinhos e divididas em sacolinhas destas que vem nos kits é outra sugestão.

É preciso fazer a conta de quantos são os dias da viagem e quais os compromissos. Para peças maiores, como calças e blusas, tento levar duas de cada, no máximo. A jaqueta que vira colete também pode ser peça coringa, tanto para compromissos sociais como para ocasiões esportivas.

Ultimamente as companhias aéreas medem o tamanho das bagagens de mão via “blitz”. Chegam na fila do embarque com aquela caixa de papelão e comparam sua mala. Tamanho certo, está certo. Errado, como dito aqui, paga a mais. O tamanho máximo é de 55 cm x 35 cm x 25 cm. O peso, 10 kg.

A bagagem de mão não é o fim, mas o começo de uma mudança nossa de cultura e de viagens mais baratas. Viajar como esses turistas europeus que passam meses só com uma mochila clássica é um sonho do desprendimento.

Mas para nós, corredores, não é preciso ir tão longe. É possível ser feliz e levar tudo o que é necessário para treinos e provas só com uma mala de mão. Garanto.

Harry Thomas Jr

Harry Thomas Jr

Jornalista especializado em corridas de rua desde 1999, Harry competiu pela primeira vez em 1994 e desde então já completou 31 maratonas – sendo três sub 3 horas: São Paulo (2h59min30), Nova York (2h58min20) e Blumenau (2h58min10). Também concluiu seis Ultratrails: 60K Ultratrail Putaendo, 67K Ultratrail Torres del Paine, 50K Indomit Costa Esmeralda e os 50K Ultra Fiord por três vezes. Já correu em países como Argentina, Chile, Estados Unidos, Grécia e Japão.

Ver mais