iStock Foto: iStock

O músculo mais importante na corrida

Marcel Sera
Adicionada em 16 de novembro de 2018
Mais em Corrida de Rua

Já escrevi sobre os glúteos, panturrilhas, movimentos de tronco, braços e até sobre as costelas. Afinal, qual é o músculo mais importante de todos? Qual deles tornaria a corrida inviável com sua ausência? Antes de dar a resposta, vale a pena resumir cada um dos principais.

  • Pés: pequenos e em grande quantidade. Auxiliam os pés a se moldarem em terrenos irregulares, além de manterem a estabilidade da região e permitirem uma aderência melhor no solo.
  • Pernas: são bem mais fortes e numerosos. Os principais são os gastrocnêmios (os mais salientes da panturrilha) e o tibial anterior (em frente à canela), que movimentam e estabilizam o tornozelo. Na corrida, são ótimos para a impulsão final, quando o joelho está se estendendo para trás.
  • Coxas: anteriormente são os extensores (quadríceps), que estendem o joelho e posteriormente são os flexores (isquiotibiais), que flexionam o joelho. Também responsáveis pela impulsão, mas também mantêm o joelho funcional, evitando que ele flexione ou estenda demais durante as fases da corrida.
  • Quadril: grandes e fortes como os glúteos, mas também pequenos e mais fracos como vários outros profundos. Tem como principais funções dar estabilidade a todo membro inferior, evitando que as coxas (e consequentemente as pernas e pés) girem para dentro ou para fora; evitar quedas e oscilações acentuadas da bacia; e movimentar a coxa, principalmente na fase de impulsão, em que os glúteos são essenciais para estender a coxa (levando-a para trás).
  • Tronco: estão incluídos os abdominais e eretores da coluna. Ao contrário dos demais, eles não geram movimentos consideráveis, pois a função é justamente dar estabilidade e evitar tais deslocamentos. Além disso, precisam segurar toda a estrutura que sustenta e une os movimentos dos membros inferiores com os superiores.
  • Membros superiores: compõem todos do ombro até os dedos. Cada um responsável pela sua articulação para que o movimento do membro todo esteja alinhado com o tronco e em sincronia com o balanço dos membros inferiores. São fundamentais para manter o centro de gravidade sempre com o menor deslocamento possível, garantindo uma corrida mais eficiente.

 

 

O músculo da corrida mais importante

E agora, conseguiu imaginar qual deles é mais importante, ou ainda está na dúvida? Se ainda está pensando é porque você sabe que é possível continuar correndo se tirarmos apenas um deles. E realmente é. Nosso corpo consegue compensar e dar conta do recado, mesmo que com um gasto energético maior.

Existe apenas um músculo que sem ele é impossível correr, mas mesmo assim poucos se preocupam: o coração. Parece besteira, mas sim, o coração é um músculo, o mais resistente de todos e durante uma corrida, faz muita força. Da mesma forma que os demais, ele também pode ser treinado, ganhar força, melhorar eficiência, mas tem um período de adaptação e descanso diferente de todos.

Um coração cansado pode afetar todos os demais músculos, pois todos dependem diretamente dele. É ele quem leva oxigênio e nutrientes para que cada contração de cada fibra muscular seja efetivada. É por isso que quanto maior a intensidade de um treino, maior deverá ser o período de descanso (em comparação com treinos mais leves), mesmo que as pernas, o tronco e os braços estejam descansados.

Então cuide melhor dele — os demais agradecerão.

Marcel Sera

Marcel Sera

Fisioterapeuta, palestrante e atleta amador! A ideia, aqui, é explicar como usamos e o que acontece com o nosso corpo em cada situação, ação e emoção de nosso dia-a-dia. Correr é uma terapia e minha fonte de inspirações para compartilhar o conhecimento de forma simples e objetiva para todos os interessados. Sugira, critique, questione, treine e corra à vontade!

Ver mais