ShutterstockFoto: Shutterstock

Estudo: corrida pode fortalecer a memória ao diminuir o estresse

Adicionada em 04 de abril de 2018

O estresse é um dos fatores que enfraquecem a capacidade do cérebro de reter informações. Mas, de acordo com um novo estudo feito por pesquisadores da Universidade Brigham Young, em Utah, nos Estados Unidos, a corrida fortalece a memória, já que é capaz de neutralizar os efeitos do estresse, fortalecendo a comunicação entre as células do cérebro.

As conexões entre os neurônios de uma pessoa, chamadas de sinapses, são formadas por sinais elétricos e químicos que se movem entre as células. Esses sinais podem ser fracos e esporádicos ou podem fluir com vigor e frequência. Quanto mais poderosa a comunicação neuronal, mais permanente é a lembrança arquivada na cabeça de uma pessoa.

Enquanto um estilo de vida com sono escasso, alto consumo de álcool, dieta sem controle e episódios estressantes prejudica o fluxo de mensagens no cérebro, o exercício físico favorece a aprendizagem e a fixação das memórias. O estudo que os cientistas da Brigham Young publicaram em março ajuda a comprovar a tese de que a corrida fortalece a memória e pode ser uma arma para não sofrer “apagões”.

 

 

Os pesquisadores dividiram ratos machos saudáveis em quatro grupos – um permaneceria sedentário sem ser induzido a estresse; outro sem praticar exercício passaria por situações mentalmente desgastantes; um terceiro manteria uma rotina de exercícios na esteira para roedores sem alterações na rotina; e um quarto exercitaria-se regularmente e seria induzido a situações estressantes.

Ao analisar a sinapse das cobaias presentes nos quatro grupos, os cientistas descobriram que os ratos com rotina de atividade física e submetidos ao estresse tinham conexões cerebrais tão fortes quanto a dos animais que se mantiveram sedentários, mas não passaram por situações que levassem à ansiedade ou ao desgaste mental.

As cobaias que se exercitaram e não foram estressadas foram as com sinapses mais fortes. Já as sedentárias estressadas, as com ligações mais fracas.

Os ratos fisicamente ativos também sabiam se localizar com mais precisão quando eram colocados em uma espécie de labirinto e deveriam buscar a saída ou precisavam localizar seus alimentos.

Segundo os pesquisadores, um sinal de que o exercício físico é capaz de mitigar os efeitos do estresse nas conexões cerebrais e, consequentemente, na memória.