patrocinador

Tendinopatia de Aquiles

A principal lesão dos corredores derrubou até heróis da Mitologia Grega…

Adicionada em 30 de março de 2016
Tendinopatia de Aquiles
Mais em Por Que Dói

Causas

  • Excesso de peso
  • Qualquer treinamento de alta demanda
  • Pronação ou supinação excessivas
  • Aumento de velocidade e quilometragem nos treinos
  • Excesso de subidas e pouco repouso nos treinos
  • Falta de alongamento, aquecimento e flexibilidade muscular
  • Fraqueza e desequilíbrio da musculatura
  • Desidratação, alimentação incorreta e toxinas no organismo
  • Doenças de base e medicamentos

Sintomas

  • Dor pela manhã ao caminhar, em trotes curtos e depois de repouso
  • Dor ao direcionar o pé para cima (flexão dorsal passiva)
  • Dores no local que não desaparecem após o aquecimento
  • A área torna-se rígida, quente, inchada, avermelhada e dolorosa à palpação
  • Estalidos iguais ao atrito de cabelos entre os dedos (crepitação)

Tratamento

  • Aplicação de gelo
  • Anti-inflamatórios
  • Fisioterapia baseada no fortalecimento muscular excêntrico
  • Correção de anormalidades como pronação ou supinação excessiva
  • Exercícios de propriocepção e massagem
  • Diminuição do ritmo de corrida até a cura completa
  • Imobilização de seis a oito semanas
  • Cirurgia

Prevenção

  • Alongamento dos músculos e tendões da região, antes e depois da corrida
  • Fortalecimento da panturrilha e da face anterior da perna
  • Aumento máximo de 10% na carga semanal de treinos
  • Palmilhas ou calcanheiras (sob orientação médica)

Retorno às corridas

  • Sem dor e inflamação, e após fortalecimento muscular
  • Depois de fortalecer a panturrilha, evitando o esforço do tendão
  • Alongamento dos músculos isquiotibiais (semitendinoso, semimembranoso e bíceps da coxa)
  • Quantificar força e equilíbrio com teste isocinético para alta clínica

Membrana e tendão de Aquiles, que ligam a musculatura da paturrilha ao calcanhar inflamam e provocam dores atrás do calcanhar

Empolgado com seu rendimento, você confunde uma dor atrás do calcanhar com suas queixas musculares, e insiste em correr. O problema aumenta, e num triste dia você experimenta um rompimento do tendão de Aquiles. Os estágios seguintes: dores lancinantes, cirurgias e uma longa recuperação. Mas você pode mudar essa história!

O tendão de Aquiles é um tecido fibroso que liga a musculatura da panturrilha ao calcanhar, responsável por movimentar os pés para baixo. Ganhou esse nome da mitologia grega — por causa da única parte vulnerável do herói das guerras, e a expressão virou sinônimo de “principal fraqueza”.

O tendão de Aquiles é o mais exigido. Mesmo capaz de suportar 12 vezes o peso do corpo, o tendão de Aquiles sofre com o impacto provocado pelas corridas, diretamente proporcional à massa corporal e à velocidade do corredor. A pressão maior do que a resistência resulta em irritação, inflamação ou degeneração do tendão.

A ruptura espontânea do tendão de Aquiles também é frequente. Ela ocorre motivada pelas chamadas doenças de base (tabagismo, colesterol alto, diabetes, hipertensão) ou medicamentos (anabolizantes, grupos de antibióticos, remédios contra acne).

Como acontece a tendinopatia de aquiles

As lesões de tendão (tendinopatias) incluem tendinites na parte interna e na externa (paratendinite), evoluindo para degenerações (tendinose). O tendão de Aquiles é revestido por uma membrana (paratendão) cuja cicatrização após qualquer ferimento provoca dores quando muito movimentada (paratendinite).

A continuidade dos exercícios, com o aumento da temperatura e a flexibilidade do tendão, faz desaparecerem essas dores, mas deixa a cicatriz mais espessa e menos elástica. A insistência do corredor em treinar torna as dores maiores e mais frequentes, e a doença (tendinose aquiliana), gradativa e de longo prazo, enfraquece os músculos da panturrilha. Com a degeneração do tendão, aumenta a possibilidade de rompimento grave. E aí, só com cirurgia.

O diagnóstico da tendinopatia de Aquiles deve ser feito por especialista, e vai da palpação do local a exames de ultrassom e ressonância magnética. Nesse ponto, a atividade esportiva já deve ter sido interrompida. O tratamento analgésico e anti-inflamatório, com fisioterapia, dura até 12 semanas.

Leia a seguir: Distensão da Panturrilha